Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Seminário discute a inserção curricular da extensão nos cursos de graduação

A Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) sediou na tarde da última terça-feira (30) o Seminário de Curricularização da Extensão, no Campus Belém. O evento foi promovido pelo Grupo de Trabalho de Extensão, que integra o Fórum das Instituições de Educação Superior e Pesquisa do Pará. O Seminário reuniu gestores, docentes e técnicos de diversas universidades e instituições de pesquisa para discutir propostas e trocar experiências a respeito da inserção curricular da extensão nos cursos de educação superior.

No mesmo dia, pela manhã, gestores das instituições realizaram, na Universidade Federal do Pará (UFPA), a segunda reunião ordinária do GT de Extensão. Já o seminário foi um momento para abrir a discussão a toda a comunidade. O seminário foi organizado pela Pró-Reitoria de Extensão da Ufra (PROEX) em parceria com a UFPA e foi transmitido em tempo real aos Campi do interior através do recurso de videoconferência.

A mesa de abertura contou com a presença da Vice-Reitora da Ufra, Profa. Janae Gonçalves; dos Pró-Reitores de Extensão, Prof. Eduardo Lima, e Ensino, Profa. Ruth Falesi; da representante do Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras (FORPROEX) e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Ana Inês Sousa; e do professor da Universidade Federal do Acre (UFAC), Enock da Silva Pessoa.

“O objetivo desse encontro é sensibilizar a comunidade acadêmica como um todo a respeito do processo de curricularização da extensão universitária”, explicou o Pró-Reitor Eduardo Lima, que na ocasião fez uma apresentação sobre os fundamentos legais para a creditação. Ele explicou o conceito de Extensão Universitária como “um processo interdisciplinar, educativo, cultural, científico e político que promove a interação transformadora entre as instituições de ensino superior e os outros setores da sociedade, em articulação permanente com o ensino e a pesquisa”.

Ele destaca que o desequilíbrio do tripé ensino-pesquisa-extensão acarreta em prejuízos pedagógicos. O Plano Nacional da Educação (PNE) 2014-2024 estabelece o mínimo de 10% do total de créditos curriculares exigidos para a graduação em programas e projetos de extensão.

O professor da UFAC falou sobre o processo de inserção da extensão nos currículos dos cursos de graduação da universidade acreana, que se encontra em fase de consolidação. Na UFAC, já foram aprovados 14 projetos pedagógicos de cursos com ações curriculares de extensão e outros 23 estão em reformulação. Para ele, esse processo dentro das universidades é essencial para a integração dos alunos com a sociedade. “Eles, a partir de agora, vão compartilhar seus aprendizados junto à comunidade. Eles que serão os protagonistas da dessa interação e vão pôr a mão na massa, agir e interagir com a comunidade”, disse o Prof. Enock Pessoa.

 

 

 

 

 

 

 

Texto e Fotografias:  Assessoria de Comunicação da UFRA

 

 

 

Fim do conteúdo da página